joomla social share plugin

Visitante n°

2803657
Hoje
Ontem
Nesta Semana
Neste mês
Total
104
154
425
3660
2803657

Paróquia de São Paulo Apóstolo realizará tradicional festejo no mês de Junho

 

A Paróquia de São Paulo Apóstolo festejará seu padroeiro no período de 22 a 30 de junho de 2019. Esta celebração que envolve as comunidades do Bairro Renascença  e demais comunidades vizinhas acontece tradicionalmente todos os anos e já tem destaque como um dos principais festejos católicos do Estado.
Durante todos os dias do festejo serão realizadas celebrações litúrgicas e no período de 27 a 30 de junho haverá também o Grande Largo de São Paulo, onde as atividades artísticas e culturais no  da Igreja de São Paulo Apóstolo se apresentarão a partir das 20:30 horas. Haverá apresentações culturais, músicas, brincadeiras e vendas de comidas típicas, com o objetivo de angariar recursos destinados à obra da construção da Igreja Matriz de São Paulo Apóstolo.

Este ano, o tema escolhido foi: “AQUELE QUE VOS CHAMA É FIEL” (1Ts 5,24),  um trecho da primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses, onde, o Apóstolo dos Gentios, Paulo dá a àquela comunidade por ele fundada, conselhos para que persevere no seu ensinamento.

Festejo De São Paulo Apóstolo
Onde: Rua Asteca, S/N,  Qd 17,  Lote Boa Vista,  Renascença São Luís MA
Dia: 22 a 30 de Junho
Largo de São Paulo: 27 a 30 de Junho
Celebrações: 19 horas


Biografia de São Paulo, Apóstolo:

São Paulo, Apóstolo (5-67) foi um escritor do cristianismo primitivo. Nasceu entre o ano 5 e 10 da era cristã, em Tarso, capital da Cilícia, na Ásia Menor, cidade aberta às influências culturais e às trocas comerciais entre o Oriente e o Ocidente.  

Treze epístolas do Novo Testamento são atribuídas a ele. Foi o maior propagador do cristianismo depois de Cristo. Antes de se converter ao Cristianismo era conhecido como Saulo e perseguia os discípulos de Jesus nos arredores de Jerusalém, quando teve uma visão de Jesus envolto numa luz incandescente e desde então começou suas pregações do Cristianismo.

A conversão de São Paulo é uma das mais importantes da história da Igreja. Mostra o poder da graça divina, capaz de transformar Saulo, perseguidor da Igreja, no "Apóstolo Paulo" por excelência, que tem a iniciativa da evangelização dos pagãos. Ele próprio confessa, por diversas vezes, que foi perseguidor implacável das primeiras comunidades cristãs. Por causa disso atribui a si mesmo o título de "o menor entre os Apóstolos" e ainda, de "indigno de ser chamado Apóstolo". Mas Deus, que conhecia a sua retidão, tornou-o testemunha da morte de Santo Estevão, cena descrita nos Atos dos Apóstolos. A visão de Estevão apontando para os céus abertos e Cristo, aí reinando, domina a vida toda de Paulo, o grande missionário do Cristianismo.

Percorreu a Asia Menor, atravessou todo o Mediterrâneo em 4 ou 5 viagens. Elaborou uma teologia cristã e ao lado dos Evangelhos suas epístolas são fontes de todo pensamento, vida e mística cristãs. Além das grandes e contínuas viagens apostólicas e das prisões e sofrimentos por que passou, deve-se a ele que se auto denomina "Servo de Cristo", a revelação da mensagem do Salvador, ou seja, as 13 Epístolas ou Cartas. Elas formam como que a Teologia do Novo Testamento, exposta por um Apóstolo. São Paulo, Apóstolo, sofreu o martírio em Roma. O ano é incerto, mas deve ter ocorrido entre 64 e 67.

Duas festas litúrgicas foram criadas em homenagem a São Paulo. A primeira em 25 de janeiro, foi instituída na Gália, no século VIII, para lembrar a conversão do Apóstolo e entrou no calendário romano no final do século X. A segunda, lembrando o seu martírio a 29 de junho, juntamente com o do Apóstolo São Pedro, foi inserida no santoral (livro dos santos da Igreja Católica) muito antes da festa do Natal e havia desde o século IV o costume de celebrar neste dia três Missas. A primeira na basílica de São Pedro no Vaticano, a segunda na basílica de São Paulo fora dos Muros e a terceira nas catacumbas de São Sebastião, onde as relíquias dos dois Apóstolos tiveram de ser escondidas por algum tempo para subtraí-las à profanação. Há um eco deste costume no fato de que além da Missa do dia é previsto um formulário para a Missa vespertina da vigília.